Blog Icoé
01 DE ABRIL, 2016
Falando do Tijolo aparente.
POR REGINA GOUVEA
Facebook
Google +
Twitter
Linkedin
Pinterest
Indicar para um amigo
Indique para um amigo
Enviar
clique aqui para fechar
A rusticidade da madeira, o revestimento do piso em cerâmica Del Favero (toscana florença) entram em harmonia com o tijolo aparente da Fachada. O azul cobalto traz uma pitada do colonial a obra.
O tijolo aparente é um elemento muito utilizado nas minhas obras. Gosto da sua textura, da perspectiva de formas e movimentos que ele possibilita e da viabilidade de se misturar a outros materiais criando um estilo próprio. Me encanta a sua rusticidade artesanal, numa lembrança do surgimento do barro na história da humanidade, quando o homem começa a se aventurar na terra, utilizando as mãos como máquina de moldagem e o sol como combustível, construindo seus primeiros utensílios. Me remete a poesia existente na aparência dos ninhos do pássaro João de Barro, semelhante as construções de adobe de algumas moradas. Me lembra a origem dos oleiros na história da arquitetura, inspirados pelas taipas de mão e de pilão que deram origem as primeiras moradas do homem.

A história do tijolo de barro transita entre as construções mais humildes, os palácios mesopotâmicos, passando pela torre de babel e a morada dos egípcios, enquanto construíram as pirâmides. Talvez o maior charme do tijolo, como elemento construtivo e decorativo, seja o seu histórico tão democrático, somado a sua proximidade com o artesanal. Falando em lembranças, é importante salientar a influência dos imigrantes italianos no Brasil, em especial os Vênetos, familiarizados com o tijolo, foram os responsáveis pela mudança da nossa paisagem em São Paulo. Graças a eles, trazendo técnicas construtivas deram início a história da habitação em alvenaria de tijolos aqui no estado.

Um material que cruzou os quatro cantos do mundo em construções únicas e inesquecíveis, ainda hoje nos inspira. Sua possibilidade de diálogo e relacionamento com outros tipos de acabamento faz dele um parceiro constante em diversos projetos, sejam rústicos ou contemporâneos. A sua presença, marcada por uma personalidade atemporal, pode ser considerada um clássico nos projetos arquitetônicos. A variedade de suas tonalidades terrosas permite um contraste interessante com outras cores, em especial com os verdes da natureza, proporcionando uma sensação de acolhimento, segurança e personalidade. Em ambientes internos também possibilita uma variedade de cenários.

O revestimento é tão atraente que o mercado desenvolveu uma vasta opção de materiais em diferentes tamanhos e matéria prima. Podem ser encontrados em cerâmica, cimento, isopor, plaquetas de plástico, porcelanato e até papel de parede utilizados em decoração, jardim ou exterior de fachadas. Se o desejo do cliente é transformar o seu espaço interno num ambiente industrial urbano, com ares de Loft Nova-iorquino, basta revestir alguma (s) paredes com qualquer dos produtos citados para parecer antiga, como se tivesse sido descascada. Quem sabe por ter percorrido séculos, na história da arquitetura, o tijolo de barro seja capaz de estimular nossa memória atávica nos levando de volta a um passado distante.

Se os ambientes são capazes de revolucionar lembranças de toda natureza nas pessoas, os materiais, cores e texturas com certeza podem estimular sentidos e criar verdadeiros cenários de filmes onde o protagonista da história seja o morador ou o visitante de um determinado lugar.


Projetos: Atelier de arquitetura e interiores.
Fotos: Ricardo Raggi

João de barro Abençoadas são as formas idealizadas entre as linhas e os movimentos esboçando-se em croquis. No amasso do forneiro, pássaro barreiro da cor de terra, cria-se o ninho, a morada no alto do galho. Abençoadas são as ideias concretizadas entre mãos, pás e cimento, levantando edifícios. No amasso do Maria de barro com seus frágeis pés, amassando e moldurando um novo templo, onde ampara seus ovos e protege sua cria.
REGINA GOUVEA DO LIVRO: ATARA: IMPRESSÕES DE UM ANDARILHO.
A parede interna em tijolo recebe o relógio antigo remetendo a lembranças.
A parede interna em tijolo recebe o relógio antigo remetendo a lembranças.
Um casamento perfeito entre a estrutura de eucalipto do telhado e as paredes em tijolos criam um ambiente rústico e acolhedor.
CATEGORIAS: Arquitetura
COMPARTILHE:
Facebook
Google +
Twitter
Linkedin
Pinterest
Indicar para um amigo
Indique para um amigo
Enviar
clique aqui para fechar
COMENTÁRIOS (0)
Nome e e-mail são campos obrigatórios. Seu e-mail não será exibido na publicação.
Enviar
POSTS RECENTES
20 DE JUNHO, 2017
Os 5 passos para a reforma do quarto de casal dos anos 80.
Os 5 passos para uma boa reforma numa arquitetura dos anos 80. Os segredos para ...
0
21 DE SETEMBRO, 2016
A casa se veste para a primavera.
Muda a estação e a paisagem se transforma ao nosso redor. A primavera se veste d...
0
15 DE ABRIL, 2016
Café e conversa na cozinha da Casa Hermann
Quem não gosta de um cafezinho e “senta que lá vem história.” Seja a...
0
05 DE ABRIL, 2016
Produção fotográfica de um ambiente
Vestir a casa com identidade própria, protagonizar a decoração e ser coautor na ...
0
29 DE MARÇO, 2016
Escolhendo materiais.
O grande segredo na escolha de materiais na reforma, construção ou decoração de ...
0
07 DE MARÇO, 2016
Impressões de Inhotim
Encontrar no mesmo lugar arquitetura, arte, natureza e poesia é um privilégio de...
1
veja mais posts
Facebook
Google+
LinkedIn
Pinterest
© 2017 - Regina Gouvea - Atelier de Arquitetura. Todos os direitos reservados